INVESTIGAÇÃO

Polícia investiga violência sexual na UENP

Publicado em 20/07/2018 - 11:42 horas - Fonte:  Redação amigosdecambara

 

A Polícia Civil de Bandeirantes investiga um crime sexual que teria acontecido no campus da Universidade Estadual do Norte do Paraná em Bandeirantes. A instituição se manifestou sobre o caso no fim desta semana.

O titular da 39ª Delegacia Regional de Polícia de Bandeirantes, Michael Eymard de França Araújo, confirmou a investigação. “Já estamos apurando os fatos há algum tempo, mas o caso ganhou repercussão somente agora em razão de uma nota de esclarecimento divulgada pela UENP. Contudo, pela natureza dos fatos, a apuração corre sob sigilo”, afirmou.

A aluna alega que foi estuprada por um estudante do curso de Agronomia. 

Em nota, a instituição afirmou que está prestando atendimento à vítima.

uenp julho 2018.jpg

FOTO DIVULGAÇÃO

Confira a íntegra da nota:

 

Vimos por meio desta, informar que o Campus Luiz Meneghel tomou ciência do relato de um caso de violência sexual sofrido por uma aluna, por meio de relatos feitos pela vítima.

A Direção informou que prestou o atendimento e apoio à vítima, inclusive, encaminhando-a ao Instituto Médico Legal de Jacarezinho, com o carro institucional e motorista, para exames de fins de exame de corpo de delito.

No mesmo dia, a Direção disponibilizou atendimento médico e psicológico.

A vítima informou à Direção do CLM que a Polícia Civil deu prosseguimento à denúncia para apuração criminal. Os fatos que chegaram ao conhecimento da Direção do Campus Luiz Meneghel são graves, e as atitudes praticadas por esta Direção foram no intuito de preservar a intimidade da vítima. É importante ressaltar que, segundo o artigo 234-B do Código Penal Brasileiro, os fatos são apurados sob segredo de Justiça para não expor os envolvidos.

A direção do CLM informa que abriu Processo Administrativo Disciplinar (PAD) para apuração dos fatos. É válido ressaltar que o PAD é o meio legal por meio do qual a Instituição se utiliza para apuração e aplicação de possíveis penalidades.

A Direção do CLM sempre conduziu o caso com a cautela necessária, no sentido da manutenção da segurança física e moral da vítima, preservando a não identificação dos envolvidos.

No entanto, devido às interpretações equivocadas, publicadas em redes sociais, sobre a condução dos nossos atos no sentido da preservação da identidade dos envolvidos, a Direção do CLM publica a presente nota na qual declara e reitera que jamais será conivente com qualquer atitude que fira a integridade do ser humano.

Prof. Dr. Ederson Marcos Sgargi

Diretor do CLB UENP

 

Colaboração Tá no Site e Blog do Chaguinhas